História da Clínica

História

A Clínica da Luz está instalada na outrora Quinta da Horta Nova. Esta quinta era uma das diversas quintas da zona de Carnide para onde se deslocavam os proprietários quando as grandes epidemias e fomes atingiam a capital. Os bons, fortes e saudáveis ares eram famosos e muitos fidalgos vinham para Carnide, a fim de recuperar das campanhas militares de conquista do Norte de África no reinado de D. Afonso V.

 

Este palacete do séc. XVI foi erguido sobre as ruínas da Casa dos Camelos, na antiga estrada do Paço do Lumiar para a Luz em Lisboa. Lopo Rodrigues Camelo, aio e parceiro de viagem de D. Sebastião, foi um dos proprietários da Quinta da Horta Nova. O brasão da sua família, concedido pelo Rei, encontra-se no jardim desta casa lembrando constantemente as suas raízes.

 

É nesta casa de tectos trabalhados, azulejos pintados à mão e com um estilo bastante particular, que a Clínica da Luz exerce a sua atividade desde 1948. A sua localização traduz-se numa distância ideal em relação ao centro, conferindo a tranquilidade indicada para o tratamento, mas também os benefícios de se situar em plena cidade de Lisboa.

“Vindo El-Rei de S. Marcos para Tentugal quando foi a Coimbra, achou caída a ponte por onde havia de passar e intentando atravessar a vala Lopo Roiz o advertiu que o passo era fundo e perigoso, ao que o Rei lhe disse: ora passai primeiro. Assim o fez ele lançando-se à vala com o cavalo e se cravou em ela de maneira que lhe não ficou de fora mais que o pescoço e um braço. O que vendo El-Rei gritou que lhe desse a mão, lhe pegou dela com tanta força que o tirou salvo a terra e para memória lhe deu, em 1576 a petição sua, as armas referidas.” *

 

“Lopo Rodrigues, a fim de que os seus descendentes lessem este caso no mármore do seu brasão de armas, pediu a el-rei que lhe mandasse reformar o escudo em lembrança de tal sucesso. E assim lhe foi debuxado o escudo: Em campo verde uma ribeira de prata ondeada. Desta ribeira emerge um braço vestido de azul, do qual pega outro vestido de brocado com Letras de negro que dizem REI. Este braço real sai da banda direita do escudo, na esquerda está uma estrela de ouro de oito raios, e no canto direito de baixo uma flor-de-lis de ouro. Timbre o braço vestido de azul com a estrela nos dedos.” **
* Nobliarquia Portuguesa (1976)
** A Brasileira de Prazins (1882) de Camilo Castelo Branco

Depois da sua função residencial, esta casa assumiu-se como clínica de repouso e tratamento psiquiátrico a meio do século XX, no ano de 1948. Logo desde o seu início era frequente o tratamento a pessoas vindas do estrangeiro que encontravam neste espaço um lar, e a tranquilidade necessária para restabelecer as suas forças e repousar o seu espírito. Até ao momento presente passaram milhares de pessoas pela clínica resultando em testemunhos incríveis.
Mantendo a tradição e respeitando as suas raízes, a clínica assumiu os símbolos cravados no brasão como propósito da sua existência. Com a água como pano de fundo, a estrela no horizonte e a flor de liz em destaque, salienta-se as noções de purificação e transformação, de rejuvenescimento e recomeço, assentes em honra e num forte sentido de compromisso. É neste contexto que surge uma mão, a suportar e levantar aquele que está desamparado e cujas forças se esvanecem.
A Clínica da Luz aposta em serviços de qualidade com preços concorrenciais, e no estabelecimento de compromissos junto dos que nos procuram. Um corpo clínico profissional, condições envolventes adequadas, e colaboradores atentos ao sofrimento do outro, são os pilares desta casa nunca perdendo de vista os valores que a fundam.

Uma palavra
dos nossos pacientes

Após dois meses passados nesta casa, onde por todos fui tratada com o maior carinho, bondade, e simpatia, nada mais me resta dizer senão um sincero – muito obrigado – repleto da mais profunda gratidão.
Num ambiente de rara compreensão humana aqui encontrei a paz e a tranquilidade para o meu espírito que tanto necessitava.

Testemunhos retirados do livro de honra